Biblioteca no Carandiru

15/02/2010

Fonte:  Estadão

Um projeto ousado que tem tudo para mudar o modelo de bibliotecas públicas no Estado. O endereço? O Parque da Juventude, exatamente no mesmo ponto onde ficavam os pavilhões da Casa de Detenção do Carandiru.

Esqueça as sisudas estantes, o ambiente escuro e a bibliotecária ranzinza pedindo silêncio. A nova biblioteca terá um ambiente colorido e moderno, com 30 mil livros ao lado de 80 computadores, CDs, DVDs, jornais e revistas. E, novidade: sete Kindle, aquele aparelhinho que lê livros digitais.

Os funcionários – a equipe terá 50 pessoas – estarão instruídos a agir como vendedores de livros, oferecendo dicas para os visitantes, de acordo com cada perfil. “Basta as pessoas chegarem e já iremos puxar conversa sobre livros”, resume a diretora da instituição, Magda Montenegro.

Em nome da acessibilidade, haverá também um equipamento para transformar livros normais em áudio ou braile. As mesas serão reguláveis – para se adaptar a qualquer tamanho de cadeira de rodas – e serão disponibilizados folheadores automáticos de páginas para quem tem restrições motoras.

A obra teve investimentos do governo estadual (R$ 10 milhões) e federal (R$ 2,5 milhões). Com as portas abertas, a biblioteca de 4,2 mil m² será administrada pela Poiesis, organização social à frente também da Casa das Rosas e do Museu da Língua Portuguesa. O projeto arquitetônico, a cargo do escritório paulistano Aflalo & Gasperini – o mesmo que executou o Parque da Juventude – levou oito meses para ser concebido. “Montamos um time com cerca de 20 profissionais, das mais variadas áreas”, conta o arquiteto Roberto Aflalo Filho. “Pensamos em espaços agradáveis, com mobiliário adequado para atrair o leitor. Por isso a biblioteca ficou com cara de uma grande livraria.”

BIBLIOTECAS UNIFICADAS

Mais que uma biblioteca bonita e diferente, a nova instituição tem a missão de ser a central das 961 bibliotecas públicas paulistas – espalhadas em 602 dos 645 municípios do Estado. Essa ideia é sonho antigo. Começou a ser cogitada nos anos 40, mas por uma série de motivos históricos jamais foi concretizada.

Uma vez inaugurada, ela não se restringirá ao atendimento ao público. Será ali que ocorrerão cursos de formação de bibliotecários que trabalham em outros espaços semelhantes da capital e do interior paulista. “Esperamos que, na medida do possível, nos copiem”, comenta a diretora Magda.

E os planos não param por aí. A próxima meta é que toda a rede seja integrada a tal ponto que qualquer cidadão paulista, em qualquer biblioteca, tenha acesso ao livro de qualquer outra biblioteca. Isso graças a um sistema de intercâmbio, de forma a facilitar o acesso ao conhecimento.

Serviço: Biblioteca de São Paulo. Parque da Juventude (Avenida Cruzeira do Sul, 2.500, Santana). De terça a sexta-feira, das 9h às 21h; sábados, domingos e feriados, até 19h. Grátis.

Minha opinião

Fontes de sabedorias como bibliotecas devem ser mais exploradas, escolas devem solicitar os alunos que os trabalhos sejam feitos a próprio punho, desta forma os alunos treinam sua caligrafia, escrita, vocabulário e principalmente força cada aluno passar seu aprendizado com o estudo tendo trabalhos únicos evitando o plágio.

Obras como esta devemos dar os parabéns.

Anúncios

A Evolução da Educação

13/02/2010

Antigamente se ensinava e cobrava tabuada, caligrafia, redação, datilografia…
Havia aulas de Educação Física, Moral e Cívica, Práticas Agrícolas, Práticas Industriais e cantava-se o Hino Nacional, hasteando a Bandeira Nacional antes de iniciar as aulas…

Leiam relato de uma Professora de Matemática:

Semana passada comprei um produto que custou R$15,80. Dei à balconista R$ 20,00 e peguei na minha bolsa 80 centavos, para evitar receber
ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer.

Tentei explicar que ela tinha que me dar 5,00 reais de troco, mas ela não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la. Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem entender. Por que estou contando isso?

Porque me dei conta da evolução do ensino de matemática desde 1950, que foi assim:

1. Ensino de matemática em 1950:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda. Qual é o lucro?

2. Ensino de matemática em 1970:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda ou R$80,00. Qual é o lucro?

3. Ensino de matemática em 1980:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$80,00. Qual é o lucro?

4. Ensino de matemática em 1990:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$80,00. Escolha a resposta certa, que indica o lucro:

( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

5. Ensino de matemática em 2000:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$80,00. O lucro é de R$ 20,00.

Está certo?
( )SIM ( ) NÃO

6. Ensino de matemática em 2009:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$100,00. O custo de produção é R$ 80,00.Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

7. Em 2010 vai ser assim:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00. (Se você é afro descendente, especial, indígena ou de qualquer outra minoria social não precisa responder)

( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

E se um moleque resolve pichar a sala de aula e a professora faz com que ele pinte a sala novamente, os pais ficam enfurecidos pois a professora provocou traumas na criança.

Em 1969 os Pais do aluno perguntavam ao “aluno”: “Que notas são estas…???”

Em 2009 os Pais do aluno perguntam ao “professor”: “Que notas são estas…???”

Essa pergunta foi vencedora em um congresso sobre vida sustentável.

“Todo mundo ‘pensando’ em deixar um planeta melhor para nossos filhos…

Quando é que ‘pensarão’ em deixar filhos melhores para o nosso planeta?”

Passe adiante!

Precisamos começar JÁ!

Uma criança que aprende o respeito e a honra dentro de casa e recebe o exemplo vindo de seus pais, torna-se um adulto comprometido em todos os aspectos, inclusive em respeitar o planeta onde vive…

Minha opinião

Este e-mail que esta circulando, comprova aonde que devemos começar a educação em casa e os métodos aplicados hoje nos colégios não são eficazes.

Eu sou a favor de voltar a repetência, somente assim iremos incentivar nossas crianças e estudar e mostrar que seu esforço tem resultados.


Educação dos filhos escrita por um doutor psiquiatra

28/01/2010

Leiam que interessante matéria que recebi por e-mail sobre o médico psiquiatra Dr. Içami Tiba sobre educação dos filhos.

O palestrante é membro eleito do Board of Directors of the International Association of Group Psychotherapy. Conselheiro do Instituto Nacional de Capacitação e Educação para o Trabalho “Via de Acesso”. Professor de cursos e workshops no Brasil e no Exterior.

Em pesquisa realizada em março de 2004, pelo IBOPE, entre os psicólogos do Conselho Federal de Psicologia, os entrevistados colocaram o Dr. Içami Tiba como terceiro autor de referência e admiração — o primeiro nacional.

1º- lugar: Sigmund Freud;
2º- lugar: Gustav Jung;
3º- Lugar:  Içami Tiba

1. A educação não pode ser delegada à escola. Aluno é transitório. Filho é para sempre.

2. O quarto não é lugar para fazer criança cumprir castigo. Não se pode castigar com internet, som, TV, etc.

3. Educar significa punir as condutas derivadas de um comportamento errôneo. Queimou índio Pataxó? A pena (condenação judicial) deve ser passar o dia todo em hospital de queimados, por séculos…

4. É preciso confrontar o que o filho conta com a verdade real. Se falar que professor o xingou, tem que ir até a escola e ouvir o outro lado, além das testemunhas.

5. Informação é diferente de conhecimento. O ato de conhecer vem após o ato de ser informado de alguma coisa. Não são todos que conhecem. Conhecer camisinha e não usar significa que não se tem o conhecimento da prevenção que a camisinha proporciona.

6. A autoridade deve ser compartilhada entre os pais. Ambos devem mandar. Não podem sucumbir aos desejos da criança. Criança não quer comer? A mãe não pode alimentá-la. A criança deve aguardar até a próxima refeição que a família fará. A criança não pode alterar as regras da casa. A mãe NÃO PODE interferir nas regras ditadas pelo pai (e nas punições também) e vice-versa. Se o pai determinar que não haverá um passeio, a mãe não pode interferir. Tem que respeitar sob pena de criar um delinquente.

7. Em casa que tem comida, criança não morre de fome . Se ela quiser comer, saberá a hora. E é o adulto quem tem que dizer QUAL É A HORA de se comer e o que comer.

8. A criança deve ser capaz de explicar aos pais a matéria que estudou e na qual será testada. Não pode simplesmente repetir, decorado. Tem que entender.

9. É preciso transmitir aos filhos a ideia de que temos de produzir o máximo que podemos. Isto porque na vida não podemos aceitar a média exigida pelo colégio: não podemos dar 70% de nós, ou seja, não podemos tirar 7,0.

10. As drogas e a gravidez indesejada estão em alta porque os adolescentes estão em busca de prazer. E o prazer é inconsequente.

11. A gravidez é um sucesso biológico e um fracasso sob o ponto de vista sexual.

12. Maconha não produz efeito só quando é utilizada. Quem está são, mas é dependente, agride a mãe para poder sair de casa, para fazer uso da droga . A mãe deve, então, virar as costas e não aceitar as agressões. Não pode ficar discutindo e tentando dissuadi-lo da ideia. Tem que dizer que não conversará com ele e pronto. Deve ‘abandoná-lo’.

13. A mãe é incompetente para ‘abandonar’ o filho. Se soubesse fazê-lo, o filho a respeitaria. Como sabe que a mãe está sempre ali, não a respeita.

14. Se o pai ficar nervoso porque o filho aprontou alguma coisa, não deve alterar a voz. Deve dizer que está nervoso e, por isso, não quer discussão até ficar calmo. A calmaria, deve o pai dizer, virá em 2, 3, 4 dias. Enquanto isso, o videogame, as saídas, a balada, ficarão suspensas, até ele, pai, se acalmar e aplicar o devido castigo.

15. Se o filho não aprendeu ganhando, tem que aprender perdendo.

16. Não pode prometer presente pelo sucesso que é sua obrigação. Tirar nota boa é obrigação. Não xingar avós é obrigação. Ser polido é obrigação. Passar no vestibular é obrigação. Se ganhou o carro após o vestibular, ele o perderá se for mal na faculdade.

17. Quem educa filho é pai e mãe. Avós não podem interferir na educação do neto, de maneira alguma. Jamais. Não é cabível palpite. Nunca.

18. Se a mãe engolir sapos do filho, ele pensará que a sociedade terá que engolir também.

19. Videogames são um perigo: os pais têm que explicar como é a realidade, mostrar que na vida real não existem ‘vidas’ e, sim, uma única vida. Não dá para morrer e reviver. Não dá para apostar tudo, apertar o botão e zerar a dívida.

20. Professor tem que ser líder. Inspirar liderança. Não pode apenas bater cartão.

21. Pais e mães não podem se valer do filho por uma inabilidade que eles tenham. ‘Filho, digite isso aqui pra mim porque não sei lidar com o computador’. Pais têm que saber usar o Skype, pois no Mundo em que a ligação é gratuita pelo Skype, é inconcebível pagarem para falar com o filho que mora longe.

22. O erro mais frequente na educação do filho é colocá-lo no topo da casa. O filho não pode ser a razão de viver de um casal. O filho é um dos elementos. O casal tem que deixá-lo, no máximo, no mesmo nível que eles. A sociedade pagará o preço quando alguém é educado achando-se o centro do Universo.

23. Filhos drogados são aqueles que sempre estiveram no topo da família.

24. Cair na conversa do filho é criar um marginal. Filho não pode dar palpite em coisa de adulto. Se ele quiser opinar sobre qual deve ser a geladeira, terá que mostrar qual é o consumo (kWh) da que ele indicar. Se quiser dizer como deve ser a nova casa, tem que dizer quanto isso (os seus supostos luxos) incrementará o gasto final.

25. Dinheiro ‘a rodo’ para o filho é prejudicial. Mesmo que os pais o tenham, precisam controlar e ensinar a gastar.

Frase: “A mãe (ou o pai!) que leva o filho para a igreja, não vai buscá-lo na cadeia…”

Minha opinião
Gostei das frases deste rapaz e tem tudo haver com a educação dos filhos, sabemos que cada um educa seus filhos da forma mais conveniente, e ai que vem o erro.

Filhos devem ser educados para o mundo e não dentro de uma redoma de vidro,
os pais e mães devem ser companheiros e acompanhar os filhos em todas as fazes da vida, seja nas trocas de fraldas, nos estudos, aonde e com quem vai.

Castigo é castigo, os filhos devem ver os pais como uma pessoa que deve respeitar e que deseja seu bem estar, isso é válido para qualquer outra pessoa que venha a se relacionar e em qualquer idade de sua vida.

E lembre-se ser pai e mãe não é somente no momento do nascimento, o filho será para vida inteira então, cuide bem do seu filho com muito amor e carinho.


Desabafo de uma professora – leia-indigne-se – repasse!

26/01/2010

As consequências atingem toda a sociedade.
Comecemos por educar realmente nossas crianças, em casa, no condomínio… no bairro…

Caros amigos, peço que leiam e repassem esse e-mail. É um relato de uma professora sobre a realidade da escola pública. Sem o apoio da mídia, só nos resta a internet para divulgar o que acontece. 

PROFESSOR – UMA ESPÉCIE EM EXTINÇÃO

Por Verônica Dutenkefer (20/06/2009)

Esse texto que escrevo precisamente agora é mais um desabafo.

Desabafo de uma profissional que está lecionando há mais de 22 anos e que não sabe se sobreviverá por mais dez anos,  que é o tempo que ainda precisará trabalhar (por mais que ame muito o que faz).

Trago comigo muitas perguntas que não querem calar. E talvez a mais inquietante seja: O que será necessário acontecer para se fazer uma reforma educacional neste país????

Constantemente, ouço ou leio reportagens com as autoridades educacionais proclamarem a má formação de seus professores. Culpando as universidades, a falta de cursos de formação e culpando-nos, evidentemente.

questionamentos:

Como um professor de escola pública pode fazer o seu trabalho se ele precisa ficar constantemente parando sua aula para separar a briga entre os alunos, socorrer seu aluno que foi ferido por outro aluno, planejar várias aulas para se trabalhar os bons hábitos, na tentativa vã de se formar cidadãos mais conscientes e de melhor caráter?

Nos cursos de formação nos é passado constantemente a recusa de um programa tradicional e conteudista, mas nossas avaliações de desempenho das escolas, nossos vestibulares e concursos públicos ainda são tradicionais e  nos cobram o conteúdo de cada disciplina.

Como pode num país…..num estado…num município haver regras tão diferentes entre a rede particular e pública?

Na rede particular as escolas continuam conteudistas, há a seriação com reprovação, a escola pode suspender ou até mesmo expulsar um aluno que não esteja respeitando as regras daquela instituição.

A rede pública vive mudando o enfoque pedagógico (de acordo com o partido que ganhou as eleições), é cobrado cada vez menos do aluno, não se pode fazer absolutamente nada com um aluno indisciplinado que até mesmo coloca em risco a segurança de outros alunos e funcionários daquela instituição..

Dia a dia…minuto a minuto… os professores são alvos de agressões verbais e até mesmo físicas pelos alunos. A cada dia somos submetidos a níveis de stress insuportáveis para um ser humano.

Temos que dar conta do conteúdo a ser ensinado + sermos responsáveis pela segurança física de nossos alunos + sermos médicos + enfermeiros + psicólogos + assistentes sociais + dentistas + psiquiatras + mãe + pai ……

E, quando ameaçados de morte, se recorremos a uma delegacia pra fazer um boletim de ocorrência ouvimos: “Isto não vai adiantar nada!”

Meus bons alunos presenciam o mal aluno fazendo tudo o que não pode ser feito e não acontecendo nada com ele. É o exemplo da impunidade desde a infância…

Meus bons alunos presenciam que o aluno que não fez absolutamente nada durante o ano, passou de ano como ele, que se esforçou e foi responsável.

Houve um ano que eu tinha um aluno que era muito bom. E ele começou a faltar muito e ir mal na escola. Os colegas diziam que ele ficava empinando pipa ao invés de ir pra escola. Um dia, tive uma conversa com ele, e perguntei o que estava acontecendo? E ele me disse: “Prá que eu vou vir prá escola se eu vou passar de ano mesmo assim?”

Então eu procurei aconselhar (como faço com meus alunos até hoje) que ele devia frequentar a escola, não para tirar notas boas nas provas ou passar de ano. Ele deveria vir à escola para aumentar seu conhecimento que é o único bem que ninguém poderá roubar.Que a escola iria ajudá-lo a aprender e trocar conhecimentos com os outros e ajudá-lo a dar uma melhor formação na vida..

Depois dessa conversa ele não faltou mais tanto…mas nunca mais voltou a ser o excelente aluno que era.

Qual a motivação de ser bom aluno hoje em dia?

Seus ídolos são jogadores de futebol que não falam o português corretamente e que não hesitam em agredir seus colegas jogadores e até mesmo os árbitros. Ensinando que não é necessário haver respeito às autoridades e aos outros.

Ou são dançarinas que mostram seu corpo rebolando na televisão e pousando nuas para ganhar dinheiro.

 Para quê eu me matar de estudar se há tantas profissões que não são valorizados e nem respeitadas? ??

Conheci (e ainda conheço e convivo) ao longo de minha carreira na escola pública, inúmeros profissionais maravilhosos. Pessoas que amam a sua profissão, que se preocupam com seus alunos, que fazem trabalhos excepcionais. Que possuem um conhecimento e formação excelentes, mas que estão desgastados e quase arrasados diante da atual situação educacional.

Li, há poucos dias, num artigo que os cursos de filosofia, matemática, química, biologia e outros todos ligados à área de magistério não estão tendo procura nas universidades.

Lógico!!!!!Quem é que quer ser professor??? ??????

Quem é que quer entrar numa carreira que está sendo extinta, não só pela total desvalorização e respeito, mas também pela falta de segurança que estamos enfrentando nas escolas?

Fiquei indignada com uma reportagem na TV (que aliás adora fazer reportagens sensacionalistas colocando o professor sempre como vilão da história) em que relatava que numa escola um aluno ameaçava os outros com um revólver e, num determinado momento, o repórter perguntou:”Onde estava o professor que não viu isso??!!”

E agora eu pergunto: “O que se espera de um professor (ou de qualquer ser humano), que se faça com uma arma apontada pra você ou pra outro ser humano??? Ah…já sei…o professor deveria enfrentar as balas do revólver!!!! Claro!!! As universidades e os cursos de aperfeiçoamento de professores não estão nos ensinando isso..

Vocês tem conhecimento de como os professores de nosso país estão adoecendo??? ?

Vocês sabem o que é enfrentar o stress que a violência moral e física tem nos submetido dia a dia?

Você sabe o que é ouvir de um pai frases assim:

“Meu filho mentiu, mas ele é apenas uma criança!”

“Eu não sei mais o que fazer com o meu filho!”

“Você está passando muita lição para meu filho, e ele é apenas uma criança!”

“Ele agrediu o coleguinha, mas não foi ele quem começou.”

“Meu filho destruiu a escola, mas não fez isso sozinho!”

Classes super lotadas, falta de material pedagógico, espaço físico destruído, violência, desperdício de merenda, desperdício de material escolar que eles recebem e, muitas vezes, não valorizam (afinal eles não precisam fazer absolutamente nada para merecê-los), brigas por causa do “Leve-leite” (o aluno não pode faltar muito, não por que isso prejudica sua aprendizagem, mas porque senão ele não leva o leite.)

Regras educacionais dissonantes de acordo com a classe social dos alunos.

Impunidade.

Mas a educação não vai bem, por causa do professor..

Encerro esse desabafo com essa pergunta que li há poucos dias:

Essa pergunta foi a vencedora em um congresso sobre vida sustentável.

“Todo mundo  ‘pensando’ em deixar um planeta melhor para nossos  filhos…  Quando é que ‘pensarão’ em deixar filhos melhores para o nosso planeta?”

O BOM NESTE PAÍS É SER POLITICO. APOSENTA-SE COM 8 ANOS DE “TRABALHO(?) “, E QUE SALÁRIO!!! (sem contar que não precisa grande formação acadêmica pra isto, infelizmente…)

Minha opinião

Essa professora esta coberta de razão sobre o assunto educação e respeito ao próximo, o que mais se houve dos pais é deixar um mundo melhor para os filhos, mas e os pais estão educando os filhos de uma forma justa?

Concordo 100% sobre o metódo que é aplicado hoje, basta o (a) aluno(a) ir para escola para pegar e seu diploma e leite. Isso é um absurdo, sei que muitas famílias tem dificuldade na compra de leite, mas nas escolas é local de disciplina e estudos com notas azuis acima da média e nas escolas podem servirem os leites de qualidade doado. Hoje os valores estão invertidos, vale mais o leite do que a educação.

Esta medida de deixar as crianças 1 ano a mais nos colégios não quer dizer melhor aprendizado. É preciso voltar as regras de quem estuda passa de ano, e quem não estuda e faz baderna não deve sequer frequentar uma sala de aula. Neste ambiente quem deve ditar as regras são os professores.

Quanto aposentadoria dos políticos realmente são ridículas, a lei não é igual aos  políticos e cidadões. Eles devem ter vergonha na cara e mudar isso, ou melhor nós devemos pressionar isso para haver a mudança.
 
 
 

 


Lei que obriga Escolas e Universidades oferecer microfones é retirado de pauta

01/01/2010

É preciso pressionar deputados por lei que obriga escolas oferecer microfones

Fonte: Simpro-SP

O projeto de lei nº 3.757, de 2008, que obriga escolas e universidades a instalar dispositivo de sonorização nas salas de aula com mais de 40 alunos, foi retirado da pauta na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, o que adia sua discussão.

O SINPRO-SP já está se articulando para pressionar os parlamentares, logo na volta do recesso, a colocar o projeto em pauta novamente, ressaltando a importância que tem para os professores de todos os níveis de ensino, mas especialmente para aqueles que lecionam no ensino superior, com salas de aula cada vez mais lotadas.

Como já comprovou pesquisa realizada pelo Programa de Saúde Vocal do SINPRO-SP, os professores apresentam mais problemas vocais do que a população em geral, o que, em alguns casos graves, exige até o afastamento do trabalho. A justificativa usada para o PL 3757/08 baseia-se no estudo do Sindicato e do Centro de Estudos da Voz, realizado em parceria com a Universidade de Utah, que na época se restringia a São Paulo.

Desde então o estudo foi ampliado para todo o país e, em 2009, o SINPRO-SP divulgou os dados nacionais, confirmando o que já havia sido identificado nos resultados de São Paulo: os professores sofrem mais com problemas de voz (leia mais sobre o estudo). Daí a importância do trabalho de prevenção entre os docentes e, é claro, da garantia que tenham acesso às condições e equipamentos adequados para assegurar a saúde vocal.

A mobilização dos professores para o projeto volte à pauta é fundamental. Utilize o serviço fale com o deputado e no campo “nome do deputado”, selecione o item “TODOS”, para que sua mensagem chegue a cada um dos parlamentares.

Minha Opinião

Professores e alunos devem cobrar a instalação deste equipamento nas salas de aula. Os alunos que sentam nas últimas fileiras das salas lotadas têm muita dificuldade em ouvir a matéria devido a distância entre sua mesa e do professor.


Professores usam apenas recursos mais simples do computador

27/12/2009

da Agência Brasil, em Brasília

Uma pesquisa realizada pela Fundação Victor Civita em 400 escolas de 13 capitais brasileiras mostra que os professores ainda dão preferência aos programas mais simples, quando utilizam o computador com seus alunos.

Para a metade dos entrevistados, o software mais utilizado é o de edição de texto, seguido por programas de visualização de mapas e editores de apresentação.

Segundo o estudo, falta preparo aos docentes para inserir as novas tecnologias de forma eficiente dentro de sala de aula. “A atividade mais realizada pelo professor com seus alunos é editar, digitar e copiar conteúdos” aponta a pesquisa.

Para o professor do Laboratório de Novas Tecnologias Aplicadas na Educação (Lantec) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Sérgio Amaral, o investimento feito pelos governos — federais estaduais ou municipais– para equipar as escolas se tornam “uma estupidez” se não houver preparação dos professores para trabalhar com as tecnologias.

Foto de lousa Digital

“Não adianta nada instrumentalizar. O computador já é uma realidade na escola, mas o problema fundamental é que o professor não utiliza o recurso como instrumento didático. É ínfimo o potencial que se está utilizando”, aponta o especialista.

Segundo Amaral, a falta de preparo vem da base, os próprios cursos de graduação não preparam os futuros educadores para a tarefa.

E a maioria dos cursos oferecidos posteriormente, segundo ele, são “instrumentais”. “O que o professor precisa não é de um treinamento para dominar as tecnologias da informática. Mas para aprender como usar esses recursos, qual é a didática por trás”, defende.

Para Amaral, quando o recurso é mal utilizado acaba sendo apenas um gerador de despesas. “Um computador caro vira um retroprojetor”. E essa subutilização tem impacto no aprendizado do aluno.

“A criança já tem contato com o mundo digital pelo celular, pelo videogame, nas lanhouses. É preciso criar a aproximação desses sujeitos [professor e aluno]. Caso contrário, o desinteresse e o distanciamento continuam sistêmicos”, diz.

O estudo aponta que apenas 28% das escolas contam com um professor orientador de informática. Segundo Ângela Danneman, diretora executiva da Fundação Victor Civita, responsável pela pesquisa, esse foi o modelo adotado pelo sistema educacional brasileiro para introduzir e administrar as tecnologias nas escolas.

“Onde esse professor está o trabalho é melhor”, aponta Ângela. Mas ainda assim, em apenas 9% das escolas ele tem a função de formar outros professores. “O importante é garantir a formação de todos os professores, [o que vai] melhorar a utilização da tecnologia como ferramenta para a aprendizagem de todos os conteúdos”, indica.

Minha Opinião

Os professores devem trabalhar em conjunto com o professor de Informática no planejamento das aulas que serão ministradas no decorrer do ano letivo e solicitar desenvolvimento de recursos para melhorar o aprendizado da matéria.

É muito importante os alunos obter matérias com programas complementares à todas as aulas e o professor de Informática passar o contexto do uso de computadores no dia dia pessoal e profissional com conteúdos técnicos.

Gosto muito de frisar que a tecnologia jamais irá substituir a forma de aprendizado que temos hoje, ela irá implementar os estudos.


Incentivo ao ensino da matemática pode melhorar educação pública

16/12/2009

Fonte: Terra

“O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, anuncia a relação dos estudantes vencedores da 5ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas” alt=”Brasília – O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, anuncia a relação dos estudantes vencedores da 5ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas” src=”http://stream.agenciabrasil.gov.br/media/imagens/2009/12/13/atphoto.2009-12-14.image_materia_horizontal.6921595392″> Brasília – O ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, anuncia a relação dos estudantes vencedores da 5ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas

Brasília – A conscientização dos alunos sobre a importância do estudo das ciências exatas aliada à mobilização de professores, em ambiente escolar motivador, contribui para a melhoria da educação pública no Brasil, afirmou hoje (14) o ministro da Ciência e Tecnologia (MCT), Sergio Rezende.

Ele fez a declaração durante o anúncio dos vencedores da 5ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), em Brasília. O número de inscritos, 19,2 milhões, corresponde a cerca de 10% da população brasileira, segundo informou o ministro.

“A matemática é básica para todas as matérias, é essencial para as ciências, mas também para áreas não científicas. Essa grande olimpíada traz grandes benefícios e contribui para a melhoria da qualidade do ensino público brasileiro” afirmou Rezende.

Para a secretária da Educação Básica do Ministério da Educação, Maria do Pilar Lacerda, a expressiva quantidade de participantes da Obmep é reflexo da conscientização de alunos e professores quanto à importância da disciplina. Ao lembrar que os alunos participam espontaneamente da olimpíada, a secretária também destacou a quantidade de talentos que podem ser descobertos durante as etapas da competição.

A diretora acadêmica da Obmep, Suely Druck, também ressaltou a importância da olimpíada como instrumento fundamental para a melhoria do ensino da disciplina nas escolas, “criando um ambiente saudável e motivador”. Para ela, essa motivação abrange tantos professores, que buscam inovar na forma de ensinar o conteúdo, quanto alunos, que se empenham “nessa competição saudável”.

Suely lembrou ainda o caráter de inclusão social do campeonato, com a concessão de bolsas de iniciação científica aos alunos vencedores, em parceria com o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O presidente da Capes, Jorge Guimarães, também destacou a grande adesão à Obmep e sugeriu a inclusão de mais áreas do conhecimento nessa modalidade de competição escolar. “Poderíamos avançar para outras olimpíadas, já que ela está se mostrando um bom instrumento para mobilizar o ensino público.”

 

Minha opinião

Matemática e Português são matérias essenciais para formação dos alunos, tendo estas matérias bem aplicadas às demais consequentemente irão sentir os efeitos.

O ideal é propor programas como este para todas as matérias do ensino fundamental e médio.