Verão com seu bebê na praia e Sol

O banho de sol é fundamental para o desenvolvimento sadio das crianças. Mas, se for feito da forma errada, pode abandonar o posto de herói e tornar-se vilão!

Fonte: Itodos UOL

Brincar, caminhar ou apenas sentar-se ao sol com o seu bebê, além de prazeroso, faz bem para a saúde e fortalece os laços da mãe com o filho. Com a chegada do verão, é bastante comum que as mamães queiram levar seus pequenos para curtir a praia ou o clube. Estes são ótimos programas
em família e estão liberados!

O principal é respeitar os horários indicados, manter a rotina da criança – como a hora de comer e tirar aquela soneca – e ter muita hidratação. Para os pequenos com mais de três anos, a exposição solar pode ser maior, mas sempre intercalando com a sombra.

Neste caso, uma grande árvore ou um guarda-sol é fundamental! Como tudo na vida, sol em excesso pode ser prejudicial. É um dever evitar o efeito pimentão e a desidratação. A pediatra Flávia Kibrit dá dicas de como aproveitar ao máximo os benefícios do banho de sol, e alerta sobre os cuidados necessários. Veja abaixo algumas das perguntas mais comuns:

1) Quando e como devem ser feitos os primeiros banhos de sol?

Os bebês são considerados recém-nascidos até os 28 dias. Após este tempo, a mamãe pode expor seu filho ao sol por quatro minutos, aumentando o tempo gradativamente, até chegar a uma hora. Lembre-se de que exposição não é para deixá-lo bronzeadinho!

2) Qual a principal importância do banho de sol?

No recém-nascido, ajuda a diminuir a icterícia, que é o acúmulo de bilirrubinas na pele (também conhecida como amarelão). Ele estimula
a produção de serotonina, responsável pelo bem-estar, muito importante para os bebês. Mas o principal benefício é ajudar o organismo da criança
a sintetizar a vitamina D – fundamental na fixação do cálcio no organismo –,
no fortalecimento do sistema imunológico e o no crescimento dos ossos. O nutriente está presente no leite materno, de vaca e nos cereais, mas ficaria inativo no organismo dos pequenos se não fosse o herói Sol!

3) Quais os sintomas da falta de vitamina D, já que ela está diretamente ligada à exposição solar?

A alimentação deve ser rica em vitamina D, e os banhos de sol, frequentes. Caso contrário, pode causar raquitismo na criança, irritabilidade, insônia e
sudorese abundante no pescoço durante a amamentação. Mas nada de entrar em crise: todo bebê sua no pescoço enquanto mama, principalmente no verão. E hoje já existem cápsulas e gotas de vitamina D para a reposição muito utilizadas nos EUA e na Europa.

4) Com que frequência devo expor meu filho ao sol?

Sempre! O ideal é que o banho de sol seja diário, ou, no mínimo, de três vezes por semana, antes das 10h – aquele sol da manhãzinha –, e depois das 16h, quando o calor é menos intenso.

5) Qual o local mais indicado para tomar um solzinho?

Não pense que o sol é só na praia ou piscina. O banho de sol pode ser feito em qualquer lugar, e ainda render um passeio delicioso com seu filho! Em
casa, na varanda, no quintal, em playgrounds, parques, praças ou,
até mesmo, numa janela que entre um solzinho. Só não pode fechar
o vidro, pois os raios solares que sintetizam a vitamina D acabam
sendo filtrados.

6) Protetor solar: usar ou não? Qual o fator indicado para cada tipo de pele?

“Os protetores solares podem ser físicos ou químicos. Os protetores solares químicos são indicados apenas a partir de seis meses de idade, com Fator de
Proteção Solar (FPS) de, no mínimo, 30, independente do tipo de pele. Peles mais claras podem precisar de maior cuidado. É importante notar que, quanto maior o FPS, maior a quantidade de substâncias químicas”, alerta a pediatra. Para os maiorezinhos, é mais do que recomendável, é obrigatório! A escolha da marca é pessoal, e requer ajuda de um profissional, mas o ideal é que sejam protetores solares infantis – sem fragrância forte, nem colorante –, dermatologicamente testados. A proteção UVA e UVB é outro ponto decisivo.

7) Qual a melhor roupinha para expor o bebê ao sol?
Para os primeiros banhos, fica a sugestão de vesti-lo com algo bem leve. Um bodyzinho, por exemplo. Vá tirando a roupinha aos poucos, para que o bebê possa se acostumar com a temperatura. O ideal é que a maior parte do corpo do seu filho esteja na luz direta, sem qualquer obstáculo, mesmo sendo uma roupa bem fininha. Não se esqueça do chapéu para proteger o rostinho do seu bebê. E, na praia ou piscina, é fundamental ter um guarda-sol por perto, já que os raios solares são potencializados pelo reflexo. Hoje em dia, existem tecidos com fatores de fotoproteção que protegem ainda mais, mas custam um pouco mais caro também!

8 ) O que deve ser evitado?
Além da exposição prolongada, não passe creme hidratante, óleo ou perfume antes de tomar sol. A recomendação vale para crianças e adultos!
A química pode causar alergias e manchas. “As frutas ou sorvetes cítricos, como limão, tangerina, figo e laranja, queimam a pele. Algumas pomadas anti-inflamatórias, antialérgicas e antibióticas possuem psoralenos, e também são fotossensibilizantes, devendo ser evitadas”, alerta a Dra. Kibrit.

9) Qual a hora de reaplicar o protetor?
Sempre que a exposição ao sol for prolongada, houver contato e brincadeiras com água, ou suor excessivo, devemos reaplicar o protetor solar. No mínimo, a cada 2 horas, o protetor deve ser reaplicado, mas não existem regras para isso. Não há um tempo certo, já que cada tipo de pele tem uma absorção diferente. Coerência e precaução são as palavras-chave para saber a hora!

10) Quais as consequências da exposição prolongada?
Sol demais tem como consequência aquela vermelhidão e ardor. Se queimar, geralmente os sintomas aparecem 24h depois. Irritação, pele avermelhada, incômodo, e até coceira podem assombrar os seus dias. Em casos mais graves, pode causar desidratação, febre, delírio, choque e baixa pressão sanguínea. “Se houver formação de bolhas ou sintomas de insolação, calafrios ou indisposição, será necessário procurar o pediatra”, aconselha a Dra. Flávia.

11) Queimou demais?
Uma dica boa é colocar o pequeno na banheira com água morna ou fria. Compressas de água fria também aliviam e tiram o vermelho da pele, pois ajudam a contrair os vasos sanguíneos. Não utilize sabonete – apenas nas partes íntimas. Loções e cremes de uso infantil auxiliam na hidratação da pele, mas evite aqueles com muita fragrância, pois podem causar alergias e irritações.

Dicas:
– Se você levar o bebê para tomar o sol da tardezinha, leve um agasalho. A temperatura sempre cai com o tempo. Chapéu com abas largas e protetor solar não podem faltar!

– Na hora da exposição ao sol, disponha sempre de um relógio para controlar o horário.

– O leite materno é a melhor fonte de vitamina D – e de outros nutrientes – para o bebê de até seis meses. Protetores solares não são indicados até o sexto mês de vida.

– Líquidos para hidratar devem ser oferecidos o tempo todo. A reposição de água e sais minerais é fundamental. Água de coco é uma boa pedida!

Minha Opinião

Apesar de a matéria dizer tudo que é viável para seu filho (a) só, mas um lembrete compre o filtro solar e principalmente repelente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: